domingo, 27 de setembro de 2015

Primeira Feira Agro-ecológica de Marília....vale a pena sonhar com isso ou não?

Criando esse evento em várias etapas preliminares, eu procuro adotar o desenvolvimento dos seguintes assuntos:

Agricultura urbana e peri-urbana orgânica
Idéias sustentáveis
Movimento slow food
Bioarquitetura
Saberes populares ligados as ervas medicinais
Novas cultivares na região
Transgênicos
Sementes orgânicas e crioulas
Bio-artesanato
Agroecologia
Alimentos e nutrição
Bio-Turismo


Estes serão os primeiros assuntos que buscarão interessados nas primeiras rodadas de discussão sobre a possível viabilização de um evento que se iniciará em 3 e tapas:
1- virtual(troca de idéias e opiniões
2-material(encontros físicos de rodadas de discussões,palestras e oficinas
3- Uma feira anual e regional do segmento

Os interessados em participar de alguma forma(colaboradores,patrocinadores,apoiadores,etc)poderão entrar em contato comigo pelo face ou e-mail:
mzaros1@gmail.com

quinta-feira, 16 de julho de 2015

Vale a pena lutar contra os agrotóxicos e os transgênicos?

Hoje enquanto eu estava no telhado da minha casa irrigando minha plantação de hortaliças......olhei para o céu nublado e me pus a esquematizar uma solução(uma estufa?) um modo de bloquear a chuva ácida que está detonando as minhas lindas folhas verdes.......depois me lembrei da praga(pulgões das couves que não me dão descanso se as folhas ficarem mais de dois dias após uma chuva, sem a “milagrosa” água de fumo pimenta e sabão....vale a pena tanto trabalho? Lembrei que esse trabalho de não deixar folhas sem “proteção” também vale para as couves com veneno,neah...!     Mas vale mesmo a pena lutar contra os venenos nos alimentos? Bom, na minha casa vale e vale muito. Economizo, não comemos veneno(pelo menos nas 35 espécimes que cultivo o restante ainda tenho de comprar) mas me divirto muito também...adoro cultivar,mexer com a terra e as plantas.

Apesar dos motivos serem mais do que óbvios, e por incrível que pareça, ainda tem muita gente que pouco se importa em cultivar, comprar, ou colocar veneno em pratos de comida. Mas até quem já se preocupa e tenta se desvencilhar dessa armadilha mortal, aqui no Brasil por exemplo,  ainda vive em uma luta conflitante nos mercados, feiras ,restaurantes, casa de familiares e amigos, etc, porque ainda estamos longe do tempo onde encontraríamos alimentos orgânicos onde quer que estejamos. Mas o que acontece é que na maioria das vezes ainda temos que recorrer aos alimentos convencionais na maioria das compras. Eu particularmente duvido que a poderosa indústria química da morte irá de fato se render absolutamente, nos grandes países chamados pejorativamente de terceiro mundo, simplesmente porque são estes os seus paraísos absurdamente lucrativos. Essa máquina de fazer dinheiro com a morte, e incrivelmente ligada a indústria farmacêutica só se renderá se realmente perder mercado significativamente. E essa situação só poderia surgir mediante pressão dos consumidores recusando os alimentos envenenados. Mas a questão que dá margem de segurança à indústria da morte, é principalmente o valor ainda muito mais elevado dos produtos orgânicos com relação aos convencionais envenenados, e não somente pela falta destes nas gôndolas ou bancas. Então a pergunta que sempre faço quando leio ou escuto alguma reclamação do “outro lado” é a seguinte: Se não houveram os custos com os venenos porque o preço é tão mais alto? Usar de desculpa da falta de mão de obra no campo(o que é uma realidade) para justificar o alto preço não serve neste caso, porque esse problema atinge a agricultura convencional também. Além do que a maior parte dos alimentos horti-fruti por exemplo vêm da agricultura familiar(não contrata uma folha de pagamento absurda) e não da agro-indústria mecanizada(também não  contrata uma folha de pagamento absurda  e estranhamente só gosta de plantar soja e milho transgênico). Então se a oferta de alimentos orgânicos é muito menor que a dos convencionais, os primeiros deveriam ser campeões de venda. Enquanto que o que acontece é o contrário. No acredito que haja gente que prefira comer veneno mas acho que as pessoas são levadas a comprarem o mais barato porque precisam economizar porque a grana está curta. Realidade dura! Quem entende minimamente como funciona o capitalismo(acúmulo de lucro) sabe que é o oportunismo e a escasses que movem essa volúpia. Verdade seja dita!  A culpa é dos dois lados,ou dos três lados? Mas a questão vai além da preocupação econômica e envereda para causas irreversíveis e revoltantes. Por exemplo:

Menino de 7 anos morre intoxicado após comer couve em Mato Grosso

 Publicado: 18 Junho 2015-fonte: http://www.contraosagrotoxicos.org


quarta-feira, 13 de maio de 2015

Cultivar cogumelos comestíveis em casa é possível, viável e divertido

Cogumelos comestíveis são excelentes fontes de nutrientes, estimuladores do sistema imunológico, etc....principalmente fonte de proteína: carne de boi 18% de proteína enquanto cogumelo 24%) praticamente os cogumelos podem ser a "carne" dos vegetarianos. Os brasileiros ainda não têm o hábito de consumo de cogumelo comestível no seu dia-a-dia por uma questão cultural e outra financeira(eles ainda são caros).Decidi unir o útil ao agradável como se diz...além da diversão
(adoro cultivar) posso aumentar a fonte de alimento da minha família gastando muito pouco e tendo o priviléagio de comê-los fresquinhos e livres de agrotóxicos, além do que muitos produtores usam formaldeídos, uma substância que faz um mal terrível à saúde.

foto ilustrativa:fonte Wikipédia
 
Shitaki,Shimeji(mais consumidos na culinária oriental),Pleurotus Rosa(fica ótimo e lindo em molhos vermelhos,champion(esse todo mundo conheçe por causa do strogonof) etc......são algumas variedades que cultivo .
 
A foto abaixo é de um lote que ainda está em fase de incubação(quando o micélio está ainda se ramificando por todo o saco de substrato).
Em um post específico colocarei fotos do passo a passo de como podemos cultivar cogumelos comestíveis em casa sem maiores complicações ou investimentos dispendiosos.
Não há muita literatura sobre este tipo de cultivo disponível no Brasil. utilizo o método de cultivo denominado jun-cao(os cogumelos são cultivados em substrato(geralmente à basede capim ou serragem contidos em  sacos plásticos) preparados de uma certa maneira:é claro que existe um método para se fazer este procedimento visando o sucesso no cultivo. O que encontramos sobre este assunto são algumas matérias sobre o cultivo m escala comercial .....nada adaptado ao cultivo doméstico(coisa que europeus e americanos já fazem há um tempão até em banheiros ou võas de escadas, pasmem!). Então eu tive de estudar muito e fazer várias experiências até chegar a um método ao meu alcance, práatico e viável (que não me ocupasse muito nem fosse dispendiosso financeiramente falando)....e consegui finalmente........daqui as uns 15 dias começará o período de frutificação(colheita) dos meus cogumelos desta safra que agora está ibernando( na foto). Então na época de frutificação é que farei o post do passo a passo com fotos reais do meu dia de produção que começa com o recolhimento da principal matéria prima: o capim/substrato(falando mais carinhosamente....que será a caminha ou o ninho dos cogumelos) . Algumas pessoas que visitaram minha (pequena por enquanto)sala de cultivo já me perguntaram: Aonde você conseguiu tanto capim para encher todos esses sacos?
Obviamente que não tenho uma fazenda....mas nem por isso não tenho mato ao meu alcance.Aliás mato é o que menos falta nesta cidade bem mal administrada. Então só tenho de atravessar a rua com uma foiçinha à mão ou  como fiz no mês passado: aproveitar o período de limpeza urbana e recolher o mato(braquiária:os cogumelos adoram) que o serviço de limpeza público finalmente veio realizar na praça em frente a minha casa. Isto também é  sustentabilidade. Dei um fim produtivo para algo que normalmente é descartado e considerado inútil. 

Foto acima: Na cozinha da minha casa(esta fase é o de inoculação:quando a gente ensaca o capim tratado e coloca dentro as sementes de cogumelos que escolhemos). Nesta fase tudo(mesa e objetos que fazem parte do trabalho, devem estar esterilizados, também devemos estar de luvas e máscara). Não é nada tipo bicho de 7 cabeças(como diz o ditado popular). Não precisamos estar num laboratório absurdamente($$$$) equipado como indicado em literaturas(a não ser que sejamos produtores de sementes).Não é o meu caso.
 
Foto abaixo: Eu tinha acabado de atravesar a rua e captar o mato cortado. Estou neste momento(vestida de caipira conforme manda o figurino da roça,neah...olha o chapeú de palha da festa junina  do ano passado....rs.rs...adoro! Me sinto mesmo numa fazenda...em miniatura.é claro...mas esta é minha..não é do BNDS.rs,rs,rs......



 Obs. reparem do meu lado ao fundo...está o meu extrator( de inox) de óleo essencial(sem óleo essencial) não se pode fazer bons perfumes como os famosos franceses por exemplo)...foi uma verdadeira saga aprender esta atividade(foi tipo carreira solo porque só encontrei europeus e indianos que fazem isso comumente) (mais adiante farei post especial desta atividade).....neste dia eu estava também extraindo óleo de citronela(somente o óleo essencial e verdadeiro faz realmente o efeito de afugentar o mosquito da dengue...a moita de citronela está do meu outro lado ao fundo da foto )..não é mato não como pensam as minhas amigas criadas em apartamentos que achavam que melancia dá em árvore,rs,rs,rs,.....
....a parreira de uva sob a minha cabeça......meu chodó.....
O meu quintal pra quem não conhece muitas plantas até parece um matagal desordenado...mas tudo lá tem uma função e cada planta tem uma história, uma saga pra eu conseguir, e uma origem chiquérima como dizem minhas amigas(Ou veio da Índia, Inglaterra, Rússia, França.....Amazônia e por aí vai).... 
 

 Aqui...abaixo.....uma das prateleiras da salinha de cultivo nos fundos da minha casa, os sacos já inoculados estão ibernando no período de colonização e desenvolvimento pleno do micélio(ramificações que darão origem aos cogumelos) estes sacos ficarão branqinhos ao ponto de não vermos mais o marrom dos capins como vemos na foto agora. O local para esta finalidade(cultivar cogumelos deve ser protegido da chuva e do sol,mas não precisa ser de muito investimento.Aliás nem precisa ser de alvenaria (tipo um quartinho como o meu) pode ser também uma espécie de barraca feita de madeira e lona plástica.  Pode-se aproveitar também o vão de uma escadaria
lá, geralmente é escurinho e proporciona a temperatura desejada para este cultivo.

Aguardem as postagens com fotos da frutufificação(colheita) e dos pratos que vou preparar com os cogumelos desta safra.....uhmmminhaamiahmmm

terça-feira, 12 de maio de 2015

Chegou o mais novo habitante da minha Urban Farm.

Este é o Algodão. Ele não estará aqui só para me alegrar ou enfeitar o meu quintal.....rs.rs.rs...ele também ajuda ecologicamente falando a minha produção de alimentos....pois ele é uma das fontes de nutrientes para a produção de exelente adubo orgânico

 (esterco de coelho é melhor do que o de gado por exemplo).

 O esterco do Algodão (meu coelho albino) serve para minhas plantas e também para alimentar minhas minhocas californianas produtoras de Humus.Algodão vive numa confortável casa de madeira,mas de vez enquando ele é solto no quintal para correr e pular sob "liberdade vigiada" obviamente, porque se não ele acaba com minha horta em poucas horas...kkkkkkkkkkkkdentro de casa tudo bem ele corre a vontade....ou melhor eu é que corro "desavontade" atrás dele...muito rápidinho esse menino....rs.rs.rs......

Colheita da framboesa na urban farm do meu quintal

 
Framboesas orgânicas que acabei de colher no quintal renderam uma maravilhosa geléia que acompanhou meu famoso iogurte grego feito em casa.
 
 
 
 
iogurte grego é assim: não cai da colher......se cair é troiano......kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

quarta-feira, 2 de outubro de 2013

Você sabe o que é o movimento fazenda Urbana?

Após grandes crises econômicas e ambientais, este movimento muito disseminado nos EUA e toda europa, se tornou famoso no mundo todo onde as pessoas se organizam de alguma forma e se dedicam a produção de alimentos no espaço urbano se utilizando das idéias mais criativas para ocupar os espaços ociosos e torná-los produtivos. Por toda intenet podemos em breves pesquisas observarmos como este movimento já  grande e inclusive conta com a participação de empresas que "de repente" descobriram uma inovadora forma de fazer marketin. Porpagandas "verdes" a parte, a realidade é que  esse modelo produtivo funciona para qualquer tamanho ou ousadia, desde pomares miniaturizados em vasos, hortas verticais , hortas que desafiam a lei da gravidade, e hortas sobre as lajes, etc.....Nossa Fazenda Urbana(dentro do perímetro urbano obviamente) tem atualmente 5.000 metros quadrados de área produtiva optimizada, aliás bem mais produtiva do que muitas chácaras e sítios por aí. E ela começou como uma extenção do meu quintal(minha casa autosuficente em termos de alimentos vegetais, plantas para nossa saúde(fitoterapia) e ovos orgânicos(ômega 3,6...e por aí vai).


Antes da Fazenda Urbana1 nascer o terreno era assim.....mato e lixo


Fazenda Urbana1 nascendo









 
Hoje nós nos dedicamos exclusivamente a produção de ervas aromáticas e medicinais e estamos iniciando as nossas experiências na extração de óleos essenciais.
 
 
 
Nota: Este projeto que eu criei ocupou uma áreapública ociosa e que era repletade mato e lixo, e se transformou em uma horta comunitária que funcionou plenamente  
durante 4 anos até perder o paio da prefeitura local. Hoje me dedico exclusivamente ao cultivo no que chamo de  minha fazenda urbana. Ela está em minha própia casa. Passei a aplicar todas as grandes ideías sustentáveis que eu pude aprender pelo mundo afora. Hoje minha família pode contar com alimentos saudáveis(orgãnicos): ovos, cogumelos comestíveis, frutas, legumes, verduras, até óleos essenciais(para fitoterapia) que retiro em um extrator. Todos os postes daqui para frente serão da Urban farm...chique,né!? Antes era chique ir ao mercado comprar uma maçã...mas hoje ter o meu própiopé de maçã....é muito + chique.rs.rs.rs..é iso que muita gente ainda não entende.....